Breve historial

1859 - Batalha de SolferinoBatalha

 

 

 

 

 

 

 

As origens do Movimento remontam a 1859, quando Henry Dunant - um cidadão suíço - assistiu à sangrenta Batalha de Solferino. Essa batalha foi travada no norte de Itália, entre o exército imperial austríaco e as forças aliadas de França e da Sardenha e da qual resultaram 40 mil vítimas mortais.

 Henry Dunant rapidamente reuniu mulheres das aldeias mais próximas para que prestassem auxílio humanitário às vítimas da guerra.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 

1862 - Henry Dunant publica
"Recordação de Solferino"

 

Em 1862, Dunant publicou "Recordação de Solferino", onde, além de escrever as suas memórias da batalha, propôs algumas soluções políticas e lançou, desde logo, o repto para a criação de sociedades nacionais de auxílio humanitário e de regras mínimas a serem respeitadas em tempo de guerra. Desde essa altura ficaria traçado o caminho para as futuras convenções de Genebra.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

1863 - Comité Internacional de Socorro a Feridos 

Henry Dunant
Em Fevereiro de 1863, quatro cidadãos juntaram-se a Dunant para levar a cabo um projecto de constituição do "Comité Interna-cional de Socorro a Feridos", que, mais tarde, viria a ser designado "Comité Internacional da Cruz Vermelha".

 

 

 

 

1863 - Carta da Cruz Vermelha (10 Resoluções)

Em resposta ao convite do Comité, especialistas de 16 países reuniram-se em Genebra, em Outubro de 1863, para adoptar as 10 Resoluções que formaram a Carta da Cruz Vermelha. Estavam, pois, definidas as funções e os métodos de trabalho para socorro a feridos. A partir desse momento, a Cruz Vermelha tornou-se uma realidade.

Foi também adoptado o emblema da Cruz Vermelha    

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


 

1864 - Conferência Diplomática

A Conferência Diplomática de 1864, celebrada em Genebra, dá lugar ao nascimento do Direito Internacional Humanitário, com a assinatura da I Convenção de Genebra. Esta Convenção supõe a materialização de um marco jurídico, dentro do qual se podia desenvolver uma acção efectiva de socorro aos feridos. As instalações médicas militares, os veículos e o pessoal sanitário, deviam ser considerados neutros e, deste modo, protegidos.·
Este primeiro convénio foi-se adaptando às diferentes circunstâncias que as novas formas de combate iam impondo até chegar às quatro actuais Convenções de Genebra de 1949
I Con-venção de 1864 - Melhoria das Condições dos Feridos e Doentes das Forças Armadas em Campanha; II Convenção de 1906 - Melhoria das Condições dos Feridos e Doentes das Forças Armadas em Campanha no mar; III Convenção de 1929 - Tratamento dos prisioneiros de Guerra; IV Convenção de 1949 - Protecção dos Civis em Tempo de Guerra) e os seus Protocolos Adicionais de 1977 I Protocolo - Conflitos Armados Internacionais; II Protocolo de 1977 - Conflitos Armados Não Internacionais).

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


1879 - Criação do emblema do Crescente Vermelho

                                                                                                                   

Ao emblema da Cruz Vermelha juntou-se o Crescente Vermelho em fundo branco na sequência da guerra entre a Rússia e a Turquia.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

1919 - Liga das Sociedades da Cruz Vermelha (Henry Pomery Davison)

A I Guerra Mundial mostrou claramente a necessidade de uma estreita cooperação entre as Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha que, através das suas actividades em prol dos prisioneiros de guerra e combatentes, atraíram milhões de voluntários e construíram um corpo bastante experiente.

Foi o  Presidente do Comité de Guerra  da Cruz  Vermelha Norte -
- Americana, Henry Pomery Davison, que propôs uma Conferência Médica Internacional (Abril 1919, Cannes) para federar as Sociedades da Cruz Vermelha dos diferentes países numa organização comparável à Liga das Nações, com vista a garantir uma permanente assistência nas áreas da saúde, prevenção de doenças e alívio do sofrimento.

Em 5 de Maio de 1919 é criada a "Liga das Sociedades da Cruz Vermelha" com sede em Paris. Desde 1939 que a sede passou a ser em Genebra
.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

1983 - Liga das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho

A Liga muda o seu nome para "Liga das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho", visto a Sociedade Nacional iraniana ter adoptado o emblema do Crescente Vermelho em 1980.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

1991 - Federação Internacional da Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho

A designação voltou a mudar para "Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho", com vista a melhor representar o carácter internacional da organização.